Buscar

A Árvore do Tap - Aula 8: Loops X Controle


Até este momento de nossa caminhada, viemos explorando, de forma lúdica e ainda bastante subjetiva, nossa musicalidade e sua relação com o sapateado. A partir desta aula "o caldo engrossa": passaremos a discutir conceitos de música progressivamente mais avançados, e também estratégias para ajudar a "fundir" a complexa técnica do Tap Dance com esses mesmos conceitos, gerando assim algo que podemos chamar de "fluência".


Nesta atividade, nos apropriaremos de uma ferramenta que nos será útil em diversos outros estágios deste curso, e que consiste, muito simplesmente, no seguinte: determinar um certo "loop" de passos (uma sequência curta que se repita em círculos, preferencialmente alternando lados esquerdo e direito) e explorar as mais variadas construções musicais a partir deste loop, sempre respeitando sua sequência de movimentos. Dito de outra forma: em vez de seguir o que seria o "ritmo natural" do passo, vamos tentar "moldá-los" a um ritmo escolhido arbitrariamente. Vamos obrigar o ouvido a mandar no pé! Assim, desenvolveremos nosso controle motor e rítmico, e passaremos a comandar nossos pés a partir de nossos ouvidos, de forma consciente.


Comece escolhendo uma melodia qualquer, simples e que você conheça bem. Digamos: Parabéns a Você.


Depois, escolha uma combinação de passos que seja cíclica, ou seja, que termine e recomece infinitamente, voltando ao mesmo ponto. Que tal um Paddle In Roll?

O Paddle Roll é composto de quatro passos: dig, spank, step, heel (e então transfere -se o peso e recomeça-se com a outra perna). O que você terá de fazer é sobrepor esta combinação, som por som, à melodia escolhida, respeitando as pausas e sem alterar a ordem dos passos! Assim:

Observe que, pelo fato de os passos não mudarem nem de quantidade, nem de ordem, as pausas melódicas acabam caindo em passos diferentes do loop, o que cria um padrão sempre mutante em termos de forma e timbre (seguindo a máxima: tirar o máximo do mínimo!).

Vamos tentar usar uma outra combinação sobre esta melodia? Tentemos um Maxie Ford: step, shuffle, leap, toe. Mas como o shuffle é um passos que contém duas notas, dividiremos o shuffle em brush e spank, para poder encaixar cada um desses sons em uma nota da melodia separadamente. Assim: step, brush, spank, leap, toe. Vamos à música:

Uma vez compreendida, a lógica é simples: "forçar" qualquer conjunto de passos a encaixar-se em qualquer dada melodia.

Este é um jogo bem cerebral, que serve para treinar o controle, demandando da movimentação que se submeta ao ritmo. Trabalha não só a musicalidade do improviso ("Porque é que eu ouço uma coisa na minha cabeça mas meu pé não consegue fazer?"), mas também sua versatilidade, porque abre a possibilidade de se fazer muito com muito pouco. A partir da mudança do ritmo de uma única combinação de passos posso criar inúmeras possibilidades discursivas.

19 visualizações1 comentário